Viagens, gravações e frio pelo interior de PE

Nesse julho o Ponto de Cultura Coco de Umbigada sentiu falta de um de seus grandes colaboradores, o querido Daniel Luís, que esteve fora por quase um mês. Agora, com seu breve retorno à Olinda, fizemos uma entrevista pra saber porque ele passou tanto tempo fora e também pra matar um pouco a saudade.

Sambada de Coco: Por onde você andou nesse tempo, que não tava no ponto com agente?
Daniel: Estava participando do antigo Circuito do Frio, hoje chamado Festival Pernambuco Nação Cultural, que roda 5 cidades no interior do estado. Estava fazendo oficinas de software livre e registrando as apresentações culturais dos festivais.Fui no Festival de Inverno de Garanhuns; Festa do Estudante, em Triunfo; Festa da Renascença de Pesqueira, e na Festa das Dálias,em Taquaritinga do Norte…

(((eram cinco cidades ou teve interferência da rádio amnésia??)))

SdC: E tava frio, no circuito do frio?
Daniel:Ô se tava…muito frio

SdC:Conte como foi esse esquema das viagens e oficinas (agente tb quer!rsrs)
Daniel: Fomos eu e mais 7 pessoas como Produtora Cultural Colaborativa, fazer o registro dos festivais e seus artistas populares, e também fazer oficinas de gravação e edição de áudio, filmagem e edição em software livre, fotografia, jornalismo online e montagem de rádios comunitárias com as comunidades e os Pontos de Cultura presentes. Em cada cidade as turmas se formavam e durante 5 dias da semana falamos e vimos muita coisa de cada area.De noite cada equipe fazia a sua cobertura do evento local.

SdC:O que é, e quem é a Produtora Colaborativa?
Daniel: Ela é formada por pontos de cultura que sentiram a necessidade de profissionalizar a produção da cultural popular e dar continuidade as formações nos pontos de cultura, que vai desde o registro dos eventos, a cobertura multimidia, edição do material e circulação dos produtos.Aqui em Pernambuco as oficinas foram implementadas através de um arranjo produtivo local entre sete pontos de cultura: Pontão de Cultura Digital iTEIA, Ponto de Cultura CUCA Recife, Ponto de Cultura Canal Capibaribe, Ponto de Cultura Coco de Umbigada, Pontão de Cultura Digital CDTL, OSCIP Dialógos, Pontão de Cultura Sustentável Ciranda Solidária e Ponto de Cultura Pé-de-Serra.

SdC:Você trabalhou fazendo o quê?
Daniel:Trabalhei com produção de áudio, gravação e edição de áudio em software livre, desde a oficina ao registro, basicamente isso.

SdC:Vocês tiveramn dificuldades ao chegar nas cidades?
Daniel:A primeira foi a hospedagem. Os hotéis estavam todos lotados e queríamos ir antes pra fazer a pré produção, então tivemos que alugar casa com nossa própria grana pra começar a funcionar as oficinas e tudo acontecer da melhor forma.No geral tivemos problemas com a estrutura física e técnica, espaço pra fazer oficinas com computadores e internet boa, numa das cidades tivemos até que alugar uma lanhouse para as oficinas.

estreaming dos shows

parceiros locais

SdC:Houve uma boa participação das comunidades?
Daniel:As comunidades são muito carecidas de cultura digital, então foi muito bom o trabalho. As pessoas tiveram total interesse e envolvimento com o projeto e a produtora colaborativa. As oficinas foram como uma injeção de cultura nas cidades.

SdC:Que sons e imagens gravadas te chamaram atenção?
Achei massa o Reggae Fulnio, tocado pelos índios da Aldeia Fulniô, Aguas Belas – PE, que se apresentaram no Casarão dos Pontos de Cultura no Festival de Inverno de Garanhuns, nossa equipe gravou o show, o áudio e ainda fez estreaming de tv, que é o vídeo ao vivo na internet. Teve também o encontro de bacamarteiros na cidade de    Passira, que registramos em vídeos e fotografias.

SdC:Onde podemos ver e ouvir?
Daniel: Já tá tudo na rede, no portsal do nacaocultural.pe.gov.br

SdC:Como essas oficinas podem contribuir para as comunidades depois que voces vão embora?
Daniel:As comunidades podem dar continuidade ao que foi ensinado durante a semana editando os áudios e vídeos capturados, subir na internet, divulgar na rede; podem ocupar espaços públicos que não estão utilizados e produzir conteúdos locais com apoio dos pontos de culura locais, prefeituras, sociedade organizada e por ai vai.

SdC:Onde será a próxima etapa?
Daniel:Será em Gravatá e Petrolina…
…É isso! Gravatá é a quinta cidade do Circuito do Frio, que eu não lembrei por que ainda não fomos lá.rsrs

((rsrsrs foi a rádio amnésia!))

SdC: Se alguem quiser participar?
Daniel:Por enquanto só em Gravatá e Petrolina mesmo. Agente ta divulgando com carro de som em cada cidade que chega, ai é só colar junto e fazer.Ou então pode fazer um cadastro como colaborador no site no nação cultural, inclusive quem quizer mais informação das oficinas e todo material produzido ta lá no portal do nação cultural e no iteia também!

SdC: Valeu Dani, e quando for aprontar mais oficinas por ai chama agente!
Daniel: Valeu!

Aqui os links para notícias e conteúdos das oficinas de cultura digital:
http://nacaocultural.pe.gov.br
http://iteia.org.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s