Lagoa Santa: um pólo de cultura popular e audiovisual comunitário

A comunidade de Lagoa Santa, em Ituberá (BA), recebeu e acolheu afetuosamente o projeto Quilombo In Cena e sua caravana, entre os dias 29 de outubro e 3 de novembro, na sede da associação da comunidade. 
 
 
 
A movimentação foi grande. Entre as organizações e comunidades participantes, estavam: uma comunidade quilombola de Itacaré (Serra de Água), três comunidades quilombolas de Ituberá (Ingazeira, Campo do Amanso e Lagoa Santa), todas as três comunidades que compõe o território de Lagoa Santa (Matinha, Riachão e São João) e diferentes coletivos como Nordeste Livre, Casa do Boneco de Itacaré, Teia de Agroecologia dos povos da Cabruca e da Mata Atlântica, Rede Mocambos (Bahia, Pará e Pernambuco), Coletivo Alumiar/ Projeto Pirilampo, Brigada de Audiovisual dos Povos e cineclubes baianos.
 
O encontro entre a comunidade e essas lideranças e coletivos tinha como objetivo realizar duas ações. A Mostra Audiovisual Quilombo In Cena ocorria todas as noites, apresentando filmes do cinema negro nacional. Ao todo, foram quatro curta-metragens, e 3 longa-metragens. Entre eles, “Terra deu, Terra come” e “Quilombos da Bahia”, filmados em comunidades quilombolas. A exibição desse último, realizado há dez anos, contou com a presença do diretor, Antônio Olavo, que debateu o filme e falou sobre a experiência de produzi-lo.
 
 
 
As sessões estavam sempre lotadas, com espectadores que vinham das mais diversas formas, movimentando as estradas do quilombo para ter acesso ao cinema. A partir dessa experiência, Gilmara Conceição avaliou que “o cinema é uma nova forma de reunir a comunidade. O quilombola passa a ter uma referência de outro tipo de evento, e isso é muito importante. A gente nunca teve isso aqui com essa qualidade.”
 
Cada sessão teve um público médio de cerca de 200 pessoas. A mostra foi encerrada com as apresentações do terno de reis e do samba da comunidade da Matinha, além do samba de roda da comunidade da Ingazeira. Nessa noite, também ocorreu uma homenagem a Luiz Marcos, criança que compôs o material gráfico do projeto.
 
 
 
 
 
Paralelo à mostra audiovisual, ocorreu o Fórum Baiano de Cinema Comunitário, que com três debates relacionados à comunicação, à produção audiovisual, ao movimento cineclubista e à cultura popular. Foram convidados para conversar: Mãe Beth de Oxum(Coco de Umbigada e Rede Mocambos-PE), os cineastas Antônio Olavo (BA), Adyr Assunção (MG) e Pedro Rajão (RJ), o jornalista Ronaldo Eli (Coco de Umbigada e Rede Mocambos-PE), os cineclubistas Gleciara Ramos e Jorge Conceição (BA) e as lideranças populares Joelson Santos (MST-BA), a produtora cultural Tininha Llanos (Minc-BA), Jorge Rasta (Casa do Boneco de Itacaré e Rede Mocambos-BA) e Don Perna (Casa Preta e Rede Mocambos-PA).
 
João Rafael faz parte do cineclube Viola de Bolso, em Eunápolis (BA). Após participar dos debates, ele disse: “foi importante estar junto com os produtores e trocar com muitas pessoas de diferentes grupos. Percebo o cineclubismo com grande potencial de mobilização e espaço político. O central desse evento foi refletir sobre quem conta nossa história e como ela é contada.”
 
 
 
 
Como resultado dos debates, foi formulado um plano de ação para a continuidade e o aprofundamento das ações em Lagoa Santa, visando ao seu fortalecimento enquanto pólo de cinema comunitário e manifestações culturais populares. Entre as propostas, está a construção de um filme a partir dos processos de formação em audiovisual a serem realizados na comunidade, a implementação d euma rádio livre e a realização de um festival cultural na comunidade. Jorge Rasta destacou como positiva a participação local nos debates. “O fórum contou com a presença da comunidade na discussão sobre as fragilidades existentes na manutenção de suas manifestações culturais tradicionais, como as dificuldades para acessar os recursos distribuídos através de editais e para atrair os mais jovens”, relata Jorge.
 
 
 
 
Além do plano, foi elaborada uma carta, que dialoga com as questões colocadas pelos coletivos presentes, abordando uma visão mais ampla e politizada sobre os debates, e firmando posições sobre questões relativas aos setores audiovisual, da cultura popular e da cultura negra (http://casadoboneco.blogspot.com.br/2013/11/manifestoquilombo-lagoa-santa-entreos.html). Ainda no último dia, foram realizadas oficinas, como a de montagem do cineclube, estética afro, dança afro e elaboração de projetos.
 
 
 
 
O Quilombo In Cena 2013 foi uma continuidade do projeto Cine Quilombola, e aponta para novos desdobramentos, como o maior envolvimento dos movimentos cineclubista e de comunicação livre com as comunidades negras tradicionais. O encantamento da comunidade ao se ver no cartaz e na tela, foi evidente e emocionante, e mostra a importância de viabilizar o acesso às obras do cinema negro e aos meios para sua produção. “O cinema com esse conteúdo negro retrata o dia a dia da população negra. Eles acham graça, se emocionam, percebem e dão importância a coisas que antes não davam, mas que o cinema traz num patamar de valor, de beleza, de importância.” diz Andreza Bonfim, produtora do projeto Pirilampo, de Ilhéus (BA).
 
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s